Tribuna Popular – Câmara debate Direitos Humanos e Direitos das Mulheres.

por Lucivania Marques publicado 15/07/2021 16h06, última modificação 15/07/2021 16h06

Na sessão desta quinta-feira (15), o espaço Tribuna Popular foi cedido para debater a respeito dos Direitos Humanos e Direitos das Mulheres em Rio Branco.

Lidianne Cabral – Feminista; Ativista dos Direitos Humanos; Educadora Social; Membro do Ima – Instituto Mulheres da Amazônia e membro fundadora do coletivo Elas Fazem Acontecer Acre, destacou  a preocupação com o alto índice de violência contra mulher em nosso Estado e pontuou a importância do combate a violência.

 ‘’Acredito que só unindo esforços em campanhas educativas e também combatendo com severidade casos dessa natureza. Solidarizo-me com todas as mulheres porque em alguma medida sofremos ou sofreremos assédio ou algum tipo, durante nossas vidas só pelo fato de sermos mulheres’’ disse Lidiane.

 A Presidente da Comissão dos Direitos das Mulheres, vereadora Lene Petecão (PSD), destacou a importância da luta pelos direitos das mulheres, que independente do cargo que a mulher ocupar não deve haver discriminação.

“Lugar de mulher e onde ela quiser, isso não impede da gente continuar fiscalizando, olhando e pontuando para aquilo que sempre fizemos,” disse a vereadora.

 Em outro trecho, a parlamentar se solidarizou e colocou a em plena disposição as mulheres que fizeram as denúncias de suposto assédio sexual contra o Secretário de Saúde de Rio Branco, Frank Lima.

 Vice-presidente da Comissão dos Direitos das Mulheres, vereadora Michelle Melo (PDT), lamentou a dificuldade que as mulheres enfrentam para garantir seus direitos na sociedade.

 Dra. Joana D’arc Valente Santa – Advogada e Presidente da Organização Universalista da Amazônia Acreana Brasileira; parabenizou a vereadora Michelle Melo pela iniciativa para que assim consiga debater o assunto na Câmara dos vereadores.  ‘’ O parlamento e o melhor local para debatermos direitos humanos porque são leis emanadas das casas como no senado a Câmara Federal, Assembleia Legislativas e a Câmara de Vereadores, todos esses poderes possuem comissões de direitos humanos e agora da família e da mulher".

 Em outro trecho, a advogada expôs sobre as ameaças já sofridas, bem como se solidarizou as mulheres e disse “ Nada é forte o suficiente para abalá-la”. Disse sobre a atuação em prol da causa.

O presidente da Câmara, vereador N.Lima declarou apoio e disse que a Comissão das Mulheres não está só, que a Câmara está em prol da causa e o que for necessário para efetivação da lei será feito.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.