Câncer de mama é debatido em audiência pública na Câmara

por Juliana Queiroz publicado 29/10/2018 19h25, última modificação 29/10/2018 19h25

Com o objetivo de dar visibilidade a problemática do Câncer de mama tanto no município de Rio Branco, como em todo o estado, a Câmara realizou, através de requerimento da vereadora Elzinha Mendonça (PDT), na manhã desta segunda-feira, 29, Audiência Pública para tratar sobre a temática e ainda relembrar as ações realizadas durante o Outubro Rosa.

Participaram da Audiência o secretário municipal de Saúde, Oteniel Almeida, o promotor Galúcio Ney Shiroma da Promotoria de Justiça Especializada de Defesa da Saúde, o enfermeiro especializado pelo Into e diretor administrativo da Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), Fernando de Abreu, e a gerente geral do Centro de Controle Oncológico do Acre (Cecon), Priscila Augusta.

De acordo com os dados repassados pelo diretor do Unacon, o câncer de mama tem apresentado uma crescente no estado. Só em 2017 foram 96 novos casos registrados da doença.

Para a vereadora Elzinha Mendonça, este é o grande motivo da preocupação em realizar atos como estes e tornar púbico para que as mulheres busquem o diagnóstico o quanto antes.

“Coloco-me sensível a esta causa, pois somos mulheres e corremos o mesmo risco. Além disso, vimos os casos recorrentes, coisa que nos assusta pela estatística tão alta”, ressaltou.

Além disso, a autora do requerimento para a Audiência Pública justificou o pedido por causa da estimativa de mais 57 mil casos a serem diagnosticas só neste ano.

“Motivo pelo qual a gente pede esse debate aqui nesta Casa Legislativa. Acreditamos que seja importante a disseminação da importância do auto exame, da mamografia, assim como o tratamento”, pontua Elzinha.

Alguns dados

O câncer de mama, se diagnosticado rápido, há 90% de chances de cura. Agora se o diagnóstico vier com a doença em estágio avançado, a expectativa de cura cai Pra 30%.

As crianças, por exemplo, quando diagnosticadas com câncer, têm 70% de chances de cura, os adultos caem pela metade e chega média de 30% a 40%.

“O câncer na verdade, tanto no Brasil como no mundo, é uma moléstia grande, o tratamento é difícil, normalmente causa muita incapacidade. Então todos devem estar preocupados com o câncer. Não só durante o Outubro Rosa ou Novembro Azul. Mas deve ser uma preocupação anual”, explica o enfermeiro Fernando Abreu.

A mastologista Priscila Augusta diz que pacientes abaixo da faixa etária têm apresentado a doença sem que tenha nenhuma predisposição, por isso é necessário o cuidado constante.

Em seu discurso, o secretário de saúde, Oteniel Almeida fez um balanço das atividades realizadas durante o mês de outubro e falou que o principal objetivo do município é de dar celeridade à demanda reprimida.

 

Outubro Rosa

O tradicional Outubro Rosa trabalha a conscientização às mulheres sobre a importância de evitar a doença. O câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo. No Brasil, chega a afetar até 58 mil mulheres ao ano, sendo que estas são afetadas até 100 vezes mais que os homens.

A data surgiu em 1990, no Estados Unidos, com o objetivo de conscientizar e estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações sobre a doença e promover a conscientização sobre a importância da detecção precoce da doença.

 

Assessoria

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.